Goleiro Bruno fecha com Boa Esporte por 2 anos

Duas semanas depois de deixar a prisão, goleiro de 32 anos assinou com atual campeão da Série C. Repercussão negativa não assusta o clube

O goleiro Bruno Fernandes fechou acordo de dois anos com o Boa Esporte, de Varginha (MG), atual campeão brasileiro da Série C, nesta sexta-feira, duas semanas depois de deixar a prisão. O contrato será assinado na próxima terça-feira, confirmou Roberto Moraes, diretor de futebol do clube.

O goleiro de 32 anos se reuniu com dirigentes do Boa Esporte no restaurante Pinga com Torresmo, de Varginha, e já até posou com a camisa do novo clube, cercado por dirigentes.

A negociação causou revolta em torcedores que invadiram as redes sociais para protestar. Segundo o dirigente, a repercussão negativa não fará o clube desistir da negociação. “Da nossa parte, ele já está contratado.”

Relembre a carreira de Bruno

Bruno, goleiro do Flamengo

Bruno era um ídolo no Flamengo antes da prisão (AFP/VEJA)

Quando foi preso, Bruno era titular absoluto do gol do Flamengo e constantemente especulado como um possível goleiro para a seleção brasileira – ele jogou no time carioca de 2006 a 2010. Durante sua carreira, brilhou também no Atlético-MG de 2002 a 2006. Em 2006, ele também passou pelo Corinthians, mas não chegou a entrar em campo.

Na sexta-feira, 24 de fevereiro, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello concedeu habeas corpus para soltar Bruno. Na decisão, o ministro argumentou que ele tem o direito de aguardar em liberdade o julgamento de seu recurso – que está parado há quatro anos no Tribunal de Justiça de Minas Gerais -, já que é réu primário e possui bons antecedentes criminais. “Colocou-se em segundo plano o fato de o paciente ser primário e possuir bons antecedentes. A esta altura, sem culpa formada, o paciente está preso há seis anos e sete meses. Nada, absolutamente nada, justifica tal fato”, escreveu Marco Aurélio.

Em 2013, Bruno foi condenado a 22 anos e três meses de prisão pelo assassinato, mas aguardava há quatro anos o julgamento de um recurso, que está parado no Tribunal de Justiça de Minas Gerais. Segundo o ministro Marco Aurélio, o goleiro tem o direito de aguardar o julgamento do recurso em liberdade, já que é réu primário e possui bons antecedentes criminais. “Colocou-se em segundo plano o fato de o paciente ser primário e possuir bons antecedentes. A esta altura, sem culpa formada, o paciente está preso há seis anos e sete meses. Nada, absolutamente nada, justifica tal fato”, escreveu.

Mais Letras e Vídeos

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: